Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sábado, 26 de novembro de 2011

GRANDE PROJETO DE ENERGIA SOLAR E EÓLICA NOS DESERTOS DA ÁFRICA FORNECERÁ ENERGIA PARA EUROPA, NORTE DA ÁFRICA E ORIENTE MÉDIO

Um grande projeto para o transporte de energia solar e eólica do norte da África para a Europa está começando a tomar forma, mas seus elaboradores ainda têm que esclarecer muitas dúvidas sobre a viabilidade técnica e política do projeto.
Nesta quinta-feira foi firmada mais uma etapa desse projeto, em Bruxelas, após o fechamento de um acordo de cooperação entre dois consórcios europeus privados que trabalham no projeto intitulado "Plano Solar Mediterrâneo".
Um dos consórcios, a Desertec, essencialmente alemã, planeja produzir eletricidade solar e eólica nos desertos do Sul do Mediterrâneo para responder à demanda local e europeia.
O outro, chamado Medgrid, no qual a França está bastante presente, vai realizar as interconexões submarinas entre os continentes, europeu e africano, principalmente através do Estreito de Gibraltar, para transportar a eletricidade.
"Há agora uma perspectiva concreta de se produzir energia solar e eólica para benefício comum dos cidadãos da Europa, da África do Norte e do Oriente Médio", disse o comissário europeu de Energia, Günther Oettinger.
A Desertec foi criada em 2009 e a Alemanha está especialmente interessada nela, principalmente porque em março o país renunciou à energia nuclear - após a catástrofe de Fukushima (Japão) - e se propôs a fornecer energia renovável.
Já o Medgrid foi criado há um ano e inclui dentro do consórcio administradores de redes de transporte de eletricidade de vários países do sul da Europa (entre eles o francês RTE) assim como grupos franceses como EDF, Areva e Alstom.
O objetivo global do projeto é responder a 15% da demanda europeia de eletricidade para 2050.
A União Europeia (UE) subsidia o projeto, já que deve cumprir com os objetivos de luta contra o aquecimento global cujo compromisso é de 20% de energias renováveis e a redução de 20% das emissões de CO2 com relação ao nível de 1990.
Os desertos do Norte da África possuem uma incidência solar muito forte, são pouco habitados e podem prover silício, uma matéria-prima essencial para os painéis solares.
As obras, no entanto, ainda estão no seu início. Politicamente "alguns países do Sul não estão muito entusiasmados por acharem que a Europa inicia uma empresa neocolonialista que roubará seus recursos", disse uma fonte próxima às negociações que preferiu não se identificar.
Por isso, diz a fonte, o projeto precisa atender primeiro às necessidades de energia do sul do continente e apenas cerca de um quarto da energia seria destinada à Europa.
O primeiro projeto deve entrar em funcionamento em breve, no Marrocos, a um custo de 1,900 bilhão de euros, perto de Uarzazate (sul), com uma capacidade de produção de 500 megawatts, que é aproximadamente metade do que produz um reator nuclear.
"Um estudo de viabilidade está previsto na Tunísia, e também estão sendo discutidas negociações com o Egito", disse a mesma fonte.
Um dos consórcios, a Desertec, planeja produzir eletricidade solar e eólica
nos desertos do Sul do Mediterrâneo
Fonte: AFP



Nenhum comentário:

Postar um comentário