Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

PROJETO VIABILIZA MAIOR UTILIZAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL

Concentrador Solar Parabólico Global Master Internacional
Por meio do concentrador solar é possível
  produzir elevadas temperaturas com a luz do sol
De olho na expansão pela demanda de energia, a empresa petropolitana Global Master Internacional, com sede na região serrana do estado do Rio de Janeiro, tem desenvolvido equipamentos que produzem energia a partir de fontes naturais, como a luz solar. Não poluente e inesgotável, a energia produzida tem capacidade para suprir não apenas demandas residenciais como também atividades industriais de empresas de pequeno, médio e grande portes. Para tanto, com o apoio do edital Rio Inovação, da FAPERJ, em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a empresa desenvolveu dois tipos distintos de concentrador solar, o parabólico e o cilíndrico.
De acordo com coordenador do projeto e diretor executivo da empresa, Rogério Müller, o concentrador solar parabólico tem finalidades industriais e funciona da seguinte forma: os raios solares, captados pela parabolóide revestida de películas refletoras, se concentram no foco, onde está posicionada uma caldeira térmica contendo fluido especial que suporta temperaturas elevadas com baixo coeficiente de dilatação. O objetivo é transferir a energia térmica produzida para um trocador de calor, com diversas aplicações, conforme as necessidades de cada cliente. “O equipamento já está sendo utilizado em duas torres instaladas na Arcoflex, empresa do segmento de embalagens e etiquetas, localizada no município de Itaipava, vizinho a Petrópolis. Lá, ele atua na estufa de secagem de uma impressora de flexografia, processo de impressão gráfica em que a forma permite imprimir os mais variados suportes”, exemplifica Rogério.
Já o concentrador solar cilíndrico tem três modelos em fase de desenvolvimento. O mais sofisticado está sendo desenvolvido para aplicação em centrais de geração de energia elétrica de grande porte, e já existem contatos preliminares com empresas interessadas em utilizar esse equipamento. O segundo modelo servirá para aplicação na indústria, combinado com outras fontes primárias de geração de energia, com menor potência, podendo ser empregado para aquecer água e para necessidades industriais. O terceiro destina-se ao aquecimento de água para fins residenciais. Segundo Rogério, o preço final será bastante competitivo em relação ao praticado no mercado pelas placas planas de captação de energia solar, popularmente conhecidos como “painéis solares”, e por isso poderá ser empregado em residências populares.
A Global Master pretende atrair as empresas que integram o polo têxtil da “cidade imperial”, como Petrópolis é conhecida. “O concentrador pode ajudar no processo de secagem de estamparias, permitindo acelerar o processo de produção e fixar melhor a pigmentação da tinta no tecido”, explica Rogério. “Essas novas tecnologias podem reduzir a pressão sobre a demanda por energia elétrica de fontes convencionais, que tem sido um dos gargalos do processo de desenvolvimento econômico nos últimos 100 anos. E tudo isso é ainda mais verdadeiro num país tropical, como o Brasil, que tem sol praticamente o ano todo”, finaliza.
Com o objetivo de ser utilizado para auxiliar aparelhos industriais, o CSP é mais eficiente que as placas solares planas usadas habitualmente. Enquanto as placas normalmente utilizadas ficam em torno de 70ºC de temperatura — o suficiente para aquecer água em uma residência –, o CSP pode chegar a 500ºC de nível de energia, o que dá vantagem na sua utilização. Ano em que o projeto foi criado: 2007
FAPERJ/ Danielle Kiffer

Nenhum comentário:

Postar um comentário