Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sábado, 26 de novembro de 2011

ENCONTRADO ANZOL QUE COMPROVA QUE O HOMEM PRÉ-HISTÓRICO SABIA PESCAR EM ÁGUAS PROFUNDAS

Arqueólogos australianos encontraram evidências de que os humanos pré-históricos que viveram 42.000 anos atrás dominavam a arte da pesca em águas profundas, revelaram estudiosos esta sexta-feira.
Eles também encontraram o anzol mais antigo do mundo, feito de conchas e com antiguidade estimada entre 23.000 e 16.000 anos, durante escavações na caverna Jerimalai, no Timor-Leste.
O anzol foi encontrado na caverna de Jerimalai
As descobertas, publicadas na última edição da revista Science, se baseia no trabalho da professora Sue O'Connor, da Universidade Nacional da Austrália.
Segundo a cientista, elas demonstram que o homem pré-histórico tinha habilidades marítimas de alto nível e, portanto, a tecnologia necessária para fazer as travessias marinhas que lhe permitiram chegar à Austrália.
"O local que estudamos possui mais de 38.000 ossos de pescado de 2.843 espécimes de peixes com cerca de 42 mil anos", disse O'Connor, que afirmou que muitos dos espécimes encontrados são de animais de águas profundas.
"O que o sítio do Timor-Leste nos mostrou é que os humanos remotos das ilhas do Sul da Ásia tinham habilidades marítimas impressionantemente avançadas", acrescentou.
"Eram especialistas em apanhar tipos de peixes que seriam difíceis mesmo nos dias de hoje, como o atum. É uma descoberta muito excitante", emendou.
Um anzol também foi encontrado no sítio, mas O'Connor disse ser improvável que tenha sido usado na pesca em águas profundas.
"Nós acreditamos que este seja o exemplo mais remoto conhecido de um anzol de pesca e mostra que nossos ancestrais eram artesãos habilidosos, além de pescadores", afirmou.
"Os anzóis não parecem propícios para a pesca pelágica, mas é possível que outros tipos de anzóis fossem fabricados naquela época", acrescentou.
O que ainda se desconhece é exatamente como este povo antigo conseguia apanhar peixes rápidos e de águas profundas. O atum pode ser pego com redes ou carretilhas, explicou O'Connor.
"Instrumentos simples para reunir os peixes também podem ser usados para atrai-los. Assim, eles podem ser pegos usando redes ou anzóis", explicou.
"De qualquer forma, parece certo que este povo usava tecnologia bem sofisticada e embarcação para pescar além da costa", acrescentou.
Ela disse ainda que as descobertas devem lançar luz sobre como os primeiros habitantes da Austrália chegaram ao continente, com a implicação de que barcos adequados para navegar em alto-mar tenham sido usados para a pesca em águas profundas.
"Sabemos há algum tempo que nossos ancestrais, na Austrália, precisaram ter sido capazes de viajar centenas de quilômetros no mar porque chegaram à Austrália há pelo menos 50.000 anos", disse O'Connor.
"Quando vemos as embarcações que os aborígenes australianos usaram na época do contato com os europeus, no entanto, eram muito simples, como balsas ou canoas", afirmou.
"Assim, como as pessoas chegaram aqui tão cedo sempre foi intrigante. Estas novas descobertas da caverna Jerimalai avançam na solução deste enigma", acrescentou.
FONTE: AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário