Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

BRASIL PRODUZ DIAMANTES EM LABORATÓRIO

Processo envolve a ativação de um gás
Diamantes têm total ausência de impurezas e de cor. (Wikipédia)
“Diamonds are a girl's best friend” (os diamantes são os melhores amigos das mulheres), já cantava a Marilyn Monroe, em «Os homens preferem as loiras». Esta forma alotrópica do carbono, de fórmula química C, é comercializada como uma gema preciosa e o valor que lhe é agregado reside no fato de ter total ausência de impurezas e de cor.
No entanto, para uso industrial, são escolhidos diamantes, sendo estes mais acessíveis e desenvolvidos a partir de estudos em laboratório. Podem ter diversas aplicações, como ferramentas de corte, brocas para perfuração de rochas para extração de petróleo, no pré-sal por exemplo.
Um projeto temático de “Novos materiais, estudos e aplicações inovadoras em diamante-CVD, diamond-like-carbon (DLC) e carbono nanoestruturado obtidos por deposição química a partir da fase vapor” está sendo desenvolvido no Laboratório Associado de Sensores e Materiais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, no Brasil e visa avançar no conhecimento básico sobre diamantes produzidos artificialmente.
A equipe trabalha com materiais de carbono produzidos por meio de técnicas de deposição química a partir da fase de vapor – um processo conhecido internacionalmente pela sigla CVD, de Chemical Vapor Deposition. O processo envolve a ativação de um gás, o que pode ser feito ao se alterar a temperatura, fazer um plasma ou, no caso de diamante, pelo uso de filamento aquecido.
A partir de reação desse gás reativo é feita a deposição de materiais sobre superfícies, processo conhecido como “crescimento” e usado para produzir o diamante CVD, o DLC (diamond-like carbon) e os nanotubos de carbono.
Geralmente, os diamantes são formados em camadas profundas, em ambientes de alta pressão e temperatura elevada e estes exemplares mantêm característica semelhantes às dos encontrados na natureza, sendo também condutores térmicos e transparentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário