Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

DIQUE SE ROMPEU NO MUNICÍPIO DE CARDOSO MOREIRA E AFETA CERCA DE 1.500 PESSOAS DA REGIÃO

Mais um dique se rompeu no norte do Estado do Rio de Janeiro, obrigando as autoridades a iniciar a remoção às pressas de cerca de mil pessoas na noite de domingo no município de Cardoso Moreira, no norte fluminense, segundo a Defesa Civil.
O dique do Onça se rompeu no fim da tarde de domingo por causa da força das águas do Rio Muriaé, que corta a região. Com as chuvas de verão na área este ano, o nível do rio subiu bastante e a água invadiu uma área rural da cidade conhecida como Outeiro, onde vivem cerca de mil pessoas.
Cardoso Moreira - Noroeste Fluminense -  alagada após rompimento do dique
Equipes do Exército e da Defesa Civil estão desde domingo à noite retirando as famílias do local e levando para barracas e abrigos improvisados. "Estão todos colaborando na remoção dessas pessoas. Ainda hoje a região deve ficar totalmente alagada", disse à Reuters nesta segunda-feira o coordenador da Defesa Civil de Campos, Henrique Oliveira.
Neste fim de semana voltou a chover no Estado do Rio aumentando o clima de desespero e apreensão nas regiões norte e no noroeste. Houve desabamentos e deslizamentos.
Na quarta-feira passada, um dique na rodovia BR 356 também se rompeu com a força da chuva, abrindo uma cratera de mais de 20 metros na via e inundando a localidade vizinha de Três Vendas, na cidade de Campos, também no norte fluminense.
Cerca de 4 mil pessoas ficaram em situação de risco e foram orientadas a sair de suas casas inundadas pela água do rio. No entanto, com medo de saques e furtos, muitos decidiram ficar em casa. A localidade de Três Vendas fica perto da região de Outeiro, de Cardoso Moreira.
Segundo a Defesa Civil, o Estado tem mais de 10 mil desalojados (pessoas fora de casa) e cerca de 2 mil desabrigados. Até agora uma pessoa morreu em decorrência da chuva.
Ao menos sete cidades do Rio de Janeiro, entre elas Cardoso Moreira e Campos, decretaram estado de emergência em razão da chuva deste começo de ano.
O governo federal deve anunciar nesta segunda-feira um plano para minimizar os efeitos das enchentes e da estiagem que afetam regiões do Brasil.
Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff se reunirá nesta segunda-feira às 10h em Brasília com o grupo de ministros responsáveis por ações de enfrentamento às chuvas. O objetivo é fazer um balanço das medidas adotadas na última semana e planejar as próximas ações, de acordo com o Planalto.
Igreja de Cardoso Moreira foi inundada após rompimento de dique
O dique fazia a proteção do rio e se rompeu na área que faz limite com o município de Campos. Agentes da Defesa Civil foram enviados ao local assim que foi constatado o risco de rompimento. A água deve chegar ás casas  na manhã desta segunda-feira, segundo a Defesa Civil, desalojando cerca de mil pessoas. Cerca de 400 famílias já foram retiradas da localidade de Outeiro, em Cardoso Moreira, no Norte Fluminense, após o rompimento de um dique do Canal das Onças.
Na última aferição do nível do Paraíba do Sul, em Campos, a cota atingia 9,15m, com elevação média de 5 cm por hora.
Este é o segundo dique que se rompe no Norte Fluminense nesta semana. Na quinta-feira (5), um trecho da BR-356, que funciona como dique para as águas do rio Muriaé, desmoronou depois da cheia provocada pela chuva intermitente em Minas Gerais.
Na ocasião, a comunidade de Três Vendas, em Campos, ficou completamente alagada. Dos quatro mil moradores, dois mil se recusaram a abandonar suas casas.
A comunidade de Outeiro, onde o segundo dique se rompeu, e que pode ficar alagada, é rural e conhecida por abrigar usinas de açúcar. Barracas de emergência que funcionam como abrigos já foram enviadas ao lugar.
Fonte: Reuters e Jornal do Brasil

Um comentário:

  1. Lendo estas notícias concluímos que os municípios pequenos são os mais abandonados em todo o país. Imaginamos que não deve haver manutenção de nada. Estas notícias reforçam nossa incredulidade nos políticos malandros que só contribuem para afundar os cofres públicos a favor deles mesmos.

    ResponderExcluir