Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

domingo, 8 de janeiro de 2012

MARISCO DE ÁGUA DOCE É REENCONTRADO APÓS 11 ANOS NO RIO GRANDE DO SUL

Uma espécie de marisco de água doce, conhecida cientificamente como Leila blainvilliana, que está ameaçada de extinção foi reencontrada após 11 anos numa área preservada do Parque Estadual Delta do Jacuí, por pesquisadores da Fundação Zoobotânica (FZB) do Rio Grande do Sul. Os pesquisadores encontraram o molusco em dezembro, durante os estudos da FZB para a elaboração do Plano de Manejo do Parque Estadual.
Foto: Daniel Hammes; Fonte: Daniel Hammes/Governo RS
Segundo os pesquisadores, o  molusco está nas listas de espécies ameaçadas regional e nacional. Os pesquisadores ficaram surpresos ao encontrá-lo porque ele está sobrevivendo ao mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei). Esta espécie fixa-se à superfície da concha do Leila, matando-o por sufocamento. O mexilhão-dourado é considerada a principal ameaça à sobrevivência desse marisco. O marisco de água doce vive enterrado no fundo arenoso, deixando apenas uma pequena porção da concha fora da areia para respirar e filtrar o alimento. O Limnoperna fortunei foi introdozido na região em cascos de navios, em 1998.
A destruição da vegetação marginal e das matas ciliares também ameaça a sobrevivência do molusco de água doce. Segundo a pesquisadora do Museu de Ciências Naturais da FZB Ingrid Heydrich, no site do Governo do Rio Grande do Sul, isso pode ocorrer devido à extração de areia e a construção de marinas que levam à dragagem para navegação, causando assoreamento. Outros fatores são a poluição da água e a construção de barragens. O desaparecimento de espécies de peixes nativos também contribui para o sumiço do bivalve.
Redação Época Leila blainvilliana


3 comentários:

  1. moro em são paulo,e em um lago existem varios mariscos de até um palmo de tamanho,gostaria de saber se se trata dessa mesma espécie,ou se existem outras.se precisarem tenho varias fotos.
    obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poderia me mandar as fotos de vários ângulos e se possível de uma com a espécie aberta mostrando o conteúdo visceral. Email gmsnat@yahoo.com.br

      Excluir
  2. eu não sabia que existia marisco de agua doce, fiquei muito alegre quando encontrei no rio ribeira em Adrianópolis vários mariscos pequenos.

    ResponderExcluir