Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

HORMÔNIO QUE REDUZ O APETITE - GPL-1

De acordo com o estudo publicado hoje no “British Medical Journal”, este hormônio, conhecida como GLP-1 (peptídeo-1 similar ao glucagon), quando dada a pessoas com excesso de peso ou obesas, mostrou-se capaz de inibir o apetite, com uma consequente perda de peso, e de ao mesmo tempo regular a pressão arterial e os níveis de colesterol.
A GLP-1 é uma hormônio segregada pelo intestino quando comemos e que potencia a ação da insulina. Recentemente, as terapêuticas com este hormônio começaram a ser utilizadas em doentes com diabetes tipo II, devido à sua capacidade de regular os níveis de açúcar no sangue. Porém, os cientistas notaram que os doentes também ficavam com menos apetite, o que abriu caminho a novos estudos no sentido de utilizar a GLP-1 a favor de uma perda de peso.
Hormônio permitiu redução de peso em 20 semanas,
mas, ainda é preciso saber os efeitos colaterais a longo prazo
Assim, os investigadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, decidiram analisar os resultados de 25 ensaios clínicos, que envolveram mais de 6000 doentes e a quem foi dada esta hormona. A equipe teve a preocupação de, na análise, ter em consideração os diferentes desenhos dos estudos para minimizar os possíveis erros de viés – um dos muitos tipos de erro que se pode verificar quando se realiza um estudo.
Após a análise, a equipe descobriu que os doentes a quem foi proporcionado um aumento relevante da GLP-1 durante pelo menos 20 semanas conseguiram perdas de peso superiores às dos grupos que serviram de controle. O benefício foi, sobretudo, notado nos doentes sem diabetes, mas os participantes com esta patologia também perderam peso. Registaram-se, ainda, melhorias estatisticamente significativas ao nível da pressão arterial, do colesterol e da glicemia. Em relação às enzimas hepáticas não foram registadas diferenças significativas.
No que diz respeito a efeitos secundários como náuseas, vômitos e diarréia, foram registados alguns casos, mas uma larga maioria dos participantes mostrou-se satisfeito com o tratamento.
Os autores afirmam, por isso, que a análise “fornece provas convincentes de que a GLP-1, quando dada a doentes obesos, com ou sem diabetes, resulta em benefícios clínicos relevantes, nomeadamente em termos do peso corporal. Também podem ser conseguidos benefícios adicionais ao nível da pressão arterial e do colesterol”.
O grupo acredita que este tipo de intervenção deve ser “considerada em pacientes com diabetes que tenham obesidade ou excesso de peso”, ainda que digam ser necessários mais estudos para perceber o comportamento deste hormônio em doentes sem diabetes e também a longo prazo.
No entanto, é de ressalvar que a administração do hormônio provocou alguns efeitos secundários indesejáveis, como náuseas, vômitos e diarreia e a equipa sublinhou, por isso, que precisa de mais investigação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário