Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

GERAÇÃO DE QUIMÉRICO

 Macacos quimeras são criados nos Estados Unidos
Cientistas uniram células de embriões de macacos rhesus separados
(Foto: OHSU/Divulgação)
Primeiro foram os transgênicos, depois os clones. Ontem, cientistas americanos levaram outras criaturas, antes do mundo da ficção científica, para a vida real. Anunciaram na prestigiada revista "Cell", uma das de maior impacto do mundo, o desenvolvimento de macacos quiméricos, criados a partir da combinação de células extraídas de embriões diferentes.
Experiências semelhantes já haviam sido realizadas com camundongos, mas essa é a primeira vez que se alcança sucesso com primatas. O estudo traz um desafio à ética, já que abre caminho para que o mesmo possa ser feito com seres humanos. O grupo da Universidade do Oregon que desenvolveu os macacos rhesus quiméricos, porém, assegura que seu objetivo é estudar o desenvolvimento de órgãos e tecidos humanos.
animais quiméricos são saudáveis (Foto: OHSU/Divulgação)
Existem raras quimeras humanas naturais, pessoas geradas a partir da fusão de dois embriões diferentes, num processo contrário ao dos gêmeos, quando um embrião se divide e origina dois indiví$diferentes. As quimeras naturais são praticamente indistinguíveis e a maioria sequer sabe da sua condição.
Para produzir os macacos quiméricos, os cientistas combinaram células de seis diferentes embriões e as implantaram em fêmeas. Shoukhrat Mitalipov, coautor do estudo, disse que os animais quiméricos são saudáveis.
- As células de embriões diferentes nunca se fundem, mas permanecem unidas e trabalham juntas para formar tecidos - explicou ele.
Os embriões usados na experiência estavam em estágio muito inicial de desenvolvimento, quando suas células-tronco podem originar qualquer tecido do organismo. Mitalipov explicou que as células foram cultivadas em laboratório antes de serem implantadas. As quimeras podem ajudar a entender o papel de genes específicos no desenvolvimento de todo o corpo. No futuro, esse conhecimento terá aplicação no combate de doenças degenerativas, do câncer e de malformações.
Por O Globo (ciencia@oglobo.com.br) | Agência O Globo
ENTENDO OS QUIMÉRICOS:
Os quiméricos
Essas células-tronco modificadas foram, então, cultivadas e agregadas em laboratório a morulas - células que representam o estágio inicial do desenvolvimento embriônico, retiradas de óvulos fertilizados - de roedores normais, de pelagem branca. Esse novo conjunto de células formou um embrião, que, por sua vez, foi transplantado para uma "mãe de aluguel", um camundongo de sexo feminino - e de pelagem branca. A ela cabe a tarefa de gerar uma ninhada de animais quiméricos.
Por que quiméricos?
Esses animais são formados por dois tipos de células geneticamente distintas, uma vinda do embrião original e outra das células-tronco alteradas geneticamente. "O nível de quimerismo pode ser estimado a partir da coloração da pele, variando de 0 a 100%", diz o russo Alexandre Kerkis, professor visitante do IB, que auxiliou Lygia no desenvolvimento dos camundongos transgênicos. Como a tonalidade agouti é dominante em relação à branca - e o gene alterado foi inserido em células-tronco de animais agouti -, as quimeras mais escuras apresentam maior quantidade de células derivadas das células-tronco modificadas. Ou seja, nelas a alteração genética se incorporou plenamente ao DNA. Já nas quimeras mais claras, obviamente, o grau de expressão da alteração genética é menor.
Resumo gráfico do Processo

Nenhum comentário:

Postar um comentário