Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

SEIS MUNICÍPIOS DO RIO DE JANEIRO DECRETAM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA, DEVIDO À CHUVAS, DIZ DEFESA CIVIL

Em Itaperuna, a BR-356, foi interditada e o hospital da cidade está alagado.
Em Italva, bancos e hospitais estão interditados
Cardoso Moreira é um dos seis municípios em situação de emergência
(Foto: Mauricio Bazilio / Divulgação Secretaria estadual de Saúde)
Seis municípios do Rio de Janeiro decretaram situação de emergência nesta quarta-feira (4), após as enchentes provocadas pelas chuvas que atingem o estado nesses primeiros dias do ano. A informação é do coordenador regional de Defesa Civil do noroeste, Douglas Paulich.
Segundo ele, Laje do Muriaé, Itaperuna, Cardoso Moreira, Italva, Miracema e Santo Antônio de Pádua precisam da ajuda do estado para se recuperarem das tragédias.
O diretor-geral do Departamento Geral de Defesa Civil do estado, coronel Marcos Almeida, informou que há 5 mil desalojados e 60 desabrigados em Itaperuna, 2.500 desalojados e 400 desabrigados em Laje do Muriaé e 12 mil desalojados e 300 desabrigados em Santo Antônio de Pádua.
De acordo com o secretário de Defesa Civil de Santo Antônio de Pádua, Angelo Alberto Figueiredo, apenas duas áreas da cidade não foram atingidas pelos alagamentos. O nível do Rio Pomba, segundo ele, chegou a 5,4 metros, quase 2 metros acima do limite. O hospital municipal foi esvaziado antes mesmo que a cheia atingisse o local.
A água alagou as ruas do município de Cardoso Moreira
(Foto: Mauricio Bazilio / Divulgação Secretaria estadual de Saúde)
Em Itaperuna, no Noroeste Fluminense, a principal via da cidade, a BR-356, foi interditada. “Um distrito está sem abastecimento de água e o hospital São José do Avaí, o maior daqui, está alagado, funcionando só para casos graves”, afirmou.
Segundo o coordenador da Defesa Civil do município, capitão Joelson Oliveira, a água subiu 1, 3 m além do limite no Rio Muriaé.
Já em Italva, também no Noroeste Fluminense, houve inundação e enxurrada, de acordo com o secretário de Defesa Civil do município, Gedeão Bispo de Sousa. Bancos e hospitais estão fechados. “As famílias saíram de casa, foi muito rápida a enchente no Centro, derrubando muros e paredes”, disse ele.
Segundo o secretário, o pronto-socorro da cidade está interditado. “Estamos esperando a equipe do estado, para ver as ações na área da saúde. Médicos de outras localidades não conseguem chegar aqui”, contou. Ele afirmou que metade da população de Italva foi atingida. “
"O nível do rio está mais de 1 metro além do normal e desde terça-feira não diminui em nada, um sinal que está represando aqui em Italva. Pouca coisa do atendimento de emergência está funcionando, somente ambulatório. Todo trabalho é no sentido de não colocarmos a população em risco de morte. Está tudo parado e as cheias não diminuem”, disse ele.
Mortes
Nesta quarta-feira, a Secretaria estadual de Defesa Civil informou, às 19h19, que o município de Laje do Muriaé passa a considerar apenas um óbito por causa da chuva, e não dois, como divulgado até então. Um dos casos, um infarto, não teria acontecido por causa da enchente.
Dessa forma, o balanço total é de dois óbitos no estado do Rio. Anteriormente, o número divulgado pela Defesa Civil era de pelo menos três óbitos por causa da chuva. A outra morte foi registrada em Miguel Pereira, no Centro Sul Fluminense.
Kit calamidade
De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, a prefeitura de Laje de Muriaé solicitou ao governo um kit calamidade, entregue nesta quarta-feira pelo secretário Sérgio Côrtes. O kit contém medicamentos para a atenção básica, antibióticos, hipoclorito de sódio e álcool.
O município, segundo a secretaria, foi o primeiro, do Noroeste Fluminense, a ser visitado pelo secretário e as equipes de Vigilância e Atenção à Saúde da secretaria. Côrtes anunciou a entrega de macas e aparelho de Raios-X ao Hospital municipal da cidade. A previsão era que os equipamentos fossem entregues à secretaria municipal de Saúde no final de fevereiro, mas após as chuvas o secretário antecipou a ação.
Campos não descarta decreto de emergência
Em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, o nível do Rio Paraíba do Sul, chegou a 10,90 metros quando, nesta época do ano, o normal varia de 7 a 8 metros, segundo a prefeitura. A ponte Barcelos Martins foi interditada, por medida de segurança.
De acordo com o secretário de Defesa Civil de Campos, Henrique Oliveira, o município ainda não decretou situação de emergência, mas esta possibilidade não está descartada. A prefeitura informou que a Defesa Civil está monitorando o nível dos rios Muriaé e Paraíba do Sul. Cerca de 40 famílias ribeirinhas tiveram que deixar suas casas e estão abrigadas em quatro escolas do município.
Alerta máximo
O município de Bom Jesus de Itabapoana, no Noroeste Fluminense, está em estado de alerta máximo, de acordo com o técnico da Defesa Civil municipal Alexandre Alcântara. Segundo ele, o rio já subiu 1 metro e 45 centímetros. Ele explicou que o rio que nasce em Minas Gerais recebeu 160 mm de chuva em 24h, do dia 2 para o dia 3. Essa água leva cerca de 36h para chegar ao município.
“A qualquer momento essa água pode chegar. Estamos em estado de alerta máximo. A gente já tem rua atingida, três famílias foram deslocadas e a expectativa é de que o rio volte a subir. (...) A minha preocupação maior não é enchente, que é uma inundação gradual, minha preocupação são deslizamentos e desmoronamentos, porque isso é súbito”, disse Alexandre.
Crea visita cidades
O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (CREA-RJ) realizou nesta quarta-feira, uma inspeção nas regiões mais afetadas pela chuva em Nova Friburgo, Bom Jardim e Teresópolis, na Região Serrana do estado. Os engenheiros vão fazer um relatório com sugestões de obras que devem ser feitas nesses locais, para evitar novas tragédias. A expectativa do CREA-RJ é enviar o documento ao Ministério Público na próxima semana.
Fonte: Carolina Lauriano Do G1 RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário