Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

AUTORIDADE DE SEGURANÇA NUCLEAR DIZ A FRANÇA QUE NÃO É NECESSIDADE DE FECHAR CENTRAIS NUCLEARES MAS PEDIU O AUMENTO DA SEGURANÇA

Dez meses depois do desastre em Fukushima, a Autoridade de Segurança Nuclear (ASN) anunciou nesta terça-feira que não é necessário fechar nenhuma das centrais nucleares francesas, mas pediu o aumento da segurança, medida que exigirá um investimento de bilhões de euros.
"As instalações nucleares francesas apresentam um nível de segurança suficiente e por isto é desnecessário fechar qualquer uma delas", afirma a ASN em um relatório publicado nesta terça-feira, após uma investigação para analisar as consequências do desastre em Fukushima, em 11 de março de 2011.
A França, que obtém 75% da energia elétrica consumida no país da atividade nuclear, tem 19 centrais nucleares - duas a mais que o Japão - e 58 reatores.
A ASN, que enviou ao primeiro-ministro francês François Fillon um relatório com suas conclusões, destaca que é importante aumentar "o mais rápido possível" a resistência das instalações para que possam enfrentar "situações extremas".
O objetivo é manter a segurança das instalações no caso de uma grande catástrofe, como terremotos, inundações ou um conjunto de várias situações extremas, segundo o organismo.
Com esta perspectiva, a ASN deu às empresas que operam áreas nucleares, como EDF, Areva e CEA, seis meses para a aplicação das medidas necessárias para aumentar a segurança das centrais e a divulgação das mesmas.
O reforço da segurança terá um custo considerável para as empresas e provavelmente será repassado aos consumidores, admitiu o presidente da ASN, André-Claude Lacoste.
O primeiro-ministro francês reagiu ao relatório com o anúncio de que o governo vai garantir que as empresas envolvidas respeitem por completo as recomendações da ASN e cumpram o calendário.
A central nuclear de Fessenheim


Nenhum comentário:

Postar um comentário