Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

AS DUAS FACES DO ÓXIDO NÍTRICO (NO): FISIOLÓGICA E PATOLÓGICA


Equipe do CNC quantifica produção da molécula em tempo real e ‘in vivo’
Pesquisadores Rui Barbosa e João Laranjinha
O óxido nítrico (NO) é “uma molécula estranha e revolucionária, tem uma importante acuidade dual”, ou seja, é conhecida, de há longa data, como “um poluente atmosférico e, que por seleção natural, funciona como mediador da memória e da aprendizagem no nosso cérebro, mas por outro lado também participa na morte celular, associado a doenças neuro degenerativas, devido à sua toxicidade”, explicou João Laranjinha, investigador da Faculdade de Farmácia e do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) estabelecida na cidade de Coimbra, Portugal.
É devido às suas características que João Laranjinha e o seu colega Rui Barbosa, já estudam a molécula há mais de uma década. Agora, a equipe da Universidade de Coimbra conseguiu finalmente perceber a “dinâmica da concentração do NO”, quantificando a produção da molécula em tempo real e ‘in vivo’, e o seu raio de difusão no cérebro. A investigação pode abrir caminho para o tratamento de doenças como Alzheimer ou Parkinson.
Este radical livre é “dotado de acuidade dual, porque atua simultaneamente como um neuromodelador e neurotoxina”, ou seja, tem uma ação positiva ao nível da memória e da aprendizagem e uma ação nefasta ao nível da morte celular associada a doenças neuro degenerativas.
“A maior parte das moléculas interagem com um determinado receptor, por sinapse”, recorda o investigador, acrescentando que “o NO vai interagindo com os alvos que encontra pelo caminho, não tem um destinatário específico. Esta é uma molécula muito pequena e difusível, não pode ser armazenada”.
Os recentes resultados fazem a analogia do óxido nítrico com “uma ligação wireless” do cérebro, porque “o gás produzido nos neurônios é o mediador do acoplamento neuro vascular, isto é, além de ter um papel central para a sobrevivência dos neurônios “faz a ponte” entre o sistema nervoso central e o sistema vascular”, sublinhou ainda o líder da equipa de investigação.
Recorde-se que a descoberta dos benefícios do óxido nítrico foi a causa da atribuição do Prêmio Nobel da Medicina, em 1998, aos norte-americanos Louis Ignarro, Robert Furchgott e Ferid Murad, ao concluírem as suas propriedades sinalizadoras.
NO atua como neuromodelador e neurotoxina.
O investigador assinalou também que “ao conseguir medir e descrever a dinâmica da concentração de óxido nítrico, criam-se boas perspectivas para determinar de que modo a molécula deixa de ser benéfica e passa a ser tóxica e, assim, desenvolver métodos que interfiram nos mecanismos por ela modulados para evitar a morte celular”.
Microelétrodos: A vantagem competitiva
Conhecendo a dinâmica do NO, podemos determinar qual o balanço, ou seja, “se tende mais para o Doutor Jekyll [neuromodelador] ou para o Mister Hyde [neurotoxina]”, referiu.
Perante o problema, os cientistas começaram por construir, de início, microelétrodos de fibra de carbono quimicamente modificados (com espessura dez vezes mais fina do que um cabelo) e desenvolveram métodos únicos de medição da “nuvem” de NO que se forma no cérebro, em tempo real e in vivo, em ratos e camundongos de laboratório. “A criação destes microelétrodos são a nossa vantagem competitiva em termos de grupo”, adiantou Laranjinha. E embora seja "uma intervenção invasiva, não provoca qualquer dor por serem muito finos”.
Se perguntarmos como se quantifica a molécula, João Laranjinha sublinha que é um dogma, porque “baixas concentrações conferem-lhe uma tendência fisiológica e altas concentrações uma patológica, mas ninguém sabe quais são essas concentrações ao certo”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário