Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

CONATEDU

CONATEDU
CONATEdu 3.0 - Congresso Nacional de Tecnologias na Educação

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

RAIOS UV CAUSAM MUDANÇAS CLIMÁTICAS SEM CAUSA APARENTE

Meteorologistas do Reino Unido perceberam que a temperatura em certas partes do mundo tem mudado sem causa aparente. São pontos do planeta, incluindo a própria Inglaterra, onde está fazendo um frio anormal nos invernos, e os cientistas garantem que isso não tem nada a ver com o aquecimento global. A origem, segundo o departamento de meteorologia britânico, está em um fator até então ignorado: a radiação ultravioleta.
Os cientistas afirmam que esse é o tipo de influência climática “independente”: o modo como os raios UV alteram a temperatura de certos lugares não depende de nenhum outro fator. Da mesma maneira, nenhuma condição ambiental determina a ação dos raios UV nesse quesito. 
Nos últimos anos, o inverno foi anormalmente rigoroso na Grã-Bretanha,
no norte da Europa e em algumas partes dos Estados Unidos.
Além disso, não é um efeito estático no planeta; é como uma corrente em movimento, o que explica o fato de não haver nenhum padrão na zona de alteração do clima. Nos últimos anos, o inverno foi anormalmente rigoroso na Grã-Bretanha, no norte da Europa e em algumas partes dos Estados Unidos. Por outro lado, foi muito mais ameno no Mar Mediterrâneo, que fica mais próximo da Linha do Equador, mas também no Canadá e na Groenlândia, onde o frio deveria ser ainda maior.
Mas só recentemente os cientistas conseguem explicar porque os raios UV influenciam no clima. O que acontece, em linhas gerais, é que a radiação ultravioleta que o sol emite aumenta e diminui de intensidade conforme um ciclo de onze anos de duração (no começo do ciclo ela está no ponto máximo, decai até certo patamar e sobe novamente, até alcançar o mesmo pico onze anos depois).
A radiação UV, como se aprende na escola, é absorvida já na estratosfera (que fica acima da atmosfera), graças à camada de ozônio. Os buracos desta, aliás, representam uma das principais preocupações dos ambientalistas no século XXI. Quando a radiação UV está no período de baixa intensidade, conforme o ciclo de onze anos, a estratosfera absorve menos, e fica mais fria dessa maneira.
Com a estratosfera mais fria, altera-se a circulação de ar na região. Esse efeito passa então para a atmosfera, onde muda a velocidade do vento. As correntes de ar, essas sim, desempenham um papel direto no clima global. Nesse caso, há menos vento migrando de oeste para leste na Terra, o que deixa o norte da Europa mais frio. Logo, existe uma influência indireta (mas considerável) dos raios UV sobre o clima.
Esse esquema, como explicam os cientistas, é apenas uma teoria, mas dotada de uma forte fundamentação. Os estudos foram munidos de dados do satélite SORCE, lançado pela NASA em 2003. O artefato espacial se dedica a pesquisar o ciclo de onze anos da radiação UV sobre a estratosfera, e a pesquisa aconteceu a partir dessas observações.
Assumindo que a teoria esteja correta, a intensidade da radiação UV está em seu menor ponto nesse momento. A tendência é que ela cresça a partir de agora, e que os invernos nessas áreas fiquem mais amenos. Mas isso pode não acontecer, como explicam os cientistas, porque existem muitas outras variáveis em jogo.
Fonte: BBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário