Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

VALORES ALARMANTES DE DESERTIFICAÇÃO É ASSINALADA PELA ONU

Depois de as Nações Unidas terem assinalado, na semana passada, o Dia Mundial da Alimentação, representantes internacionais reuniram-se na Coreia do Sul para discutir formas de travar a desertificação e a consequente perda de solo produtivo. Os satélites têm monitorizado e avaliado as terras secas.
A desertificação é a degradação do solo nas regiões áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas. É causada principalmente pelas atividades humanas e pelas variações climáticas já que os ecossistemas das terras secas são extremamente vulneráveis à sobre-exploração, ao uso inapropriado da terra e às secas.
O fenômeno já afeta de forma muito negativa o modo de vida dos agricultores de todo o mundo, causando instabilidade nas culturas em muitas áreas. Os satélites identificam tendências de degradação, mesmo na Europa e os resultados foram apresentados durante a 10ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, em Changwon, na Coreia. Durante a iniciativa discutiram-se estratégias de contenção da perda de terreno produtivo – o que tem aumentado nos últimos anos.
A Agência Espacial Europeia (ESA) organizou um evento paralelo sobre a monitorização e avaliação da degradação do solo, com recurso e dados de satélite. A detecção remota, a partir do espaço, é uma ferramenta eficaz e compensatória, do ponto de vista econômico, de monitorizar regularmente o efeito dos programas de combate à desertificação em grandes áreas ou em locais de difícil acesso.
No projeto DesertWatch, promovido pela ESA, está a ser desenvolvido um sistema de informação baseado em tecnologias de observação da Terra para apoiar as autoridades locais e nacionais a construir, de forma simples, os relatórios sobre a evolução da degradação.
Nas conclusões apresentadas, o trabalho em curso indicou que quase metade do solo moçambicano está degradado e que 19 por cento continua a degradar-se. Moçambique é um dos países mais pobres do mundo, com 30 por cento das famílias a enfrentarem a carestia de alimentos.
Metade do solo moçambicano está degradado.
 Desertificação em Portugal
No entanto, também foi detectada desertificação em Portugal em 33 por cento do solo. A região do Alentejo, muito importante para o cultivo dos cereais, continua a sofrer um processo de deterioração.
No Brasil
No Nordeste brasileiro, a agricultura muito intensa, associada a uma seca severa, reduziram a qualidade da vegetação em algumas áreas. Estas áreas ficam assim mais sujeitas à desertificação – ou já estão sofrendo todos estes processos.
Apesar de estarem disponíveis diversas técnicas, são necessários métodos mais desenvolvidos e uma maior integração para que se cumpram os requisitos de monitorização da desertificação, degradação do solo e processos de seca expostos pela Convenção de Combate à Desertificação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário