Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

VULCÃO CONSIDERADO EXTINTO PODERÁ ENTRAR EM ATIVIDADE, A TERRA ESTÁ MESMO PASSANDO POR TRANSFORMAÇÕES PROFUNDAS!!!

No sudoeste da Bolívia, próximo à fronteira com o Chile, existe uma atração natural que tem incitado uma série de debates com geólogos de várias partes do mundo. É o vulcão Uturuncu, uma montanha de 6 mil metros de altura encravada no limite da cordilheira dos Andes. E algo inusitado diferencia este de outros vulcões: aparentemente, o Uturuncu está inflando cada vez mais.
Uturuncu o vulcão que geologicamente está morto, pode voltar a atividade em breve
Ninguém sabe, exatamente, explicar o motivo, mas estimativas indicam que o vulcão boliviano está inflando entre um e dois centímetros por ano, durante os últimos vinte. Geologicamente, trata-se de uma velocidade espantosa.
O que foi observado até o momento é uma gradual elevação da área que fica abaixo do vulcão. Um platô de 70 quilômetros de comprimento, sobre o qual o Uturuncu está situado, está subindo seu nível como um balão gigante.
Em busca de respostas mais precisas sobre a origem do fenômeno, pesquisadores da Universidade do Oregon (EUA) estão investigando a fundo este mistério geológico. O que se pretende descobrir, basicamente, são o passado e o futuro: como e porque o vulcão está inflando dessa maneira, e o que deve acontecer com ele nos próximos anos.
A situação desse vulcão, como explicam pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA), pode ser imaginada da seguinte maneira: pense em um chapéu de festa de aniversário infantil. A base é notoriamente circular, o que contribui para o inchaço, já que qualquer pressão vinda de baixo se distribui de maneira uniforme.
Tal pressão também pode ser medida: os geólogos afirmam que a camada de magma tem crescido na ordem de 1 metro cúbico por segundo, dez vezes mais do que um vulcão “normal”. Os indícios apontam para uma erupção em breve. Mas isso seria estranho, como explicam os cientistas, porque o Uturuncu está em uma região geologicamente “morta”: os vulcões da área estão inativos há mais de um milhão de anos.
Quando estes vulcões entram em erupção, no entanto, o impacto material tende a ser muito maior. O volume de magma destas montanhas da Bolívia e do Chile, quando elas explodem, tende a ser gigantesco. Em números, cerca de mil vezes superior ao Monte St. Helens, nos EUA, que já destruiu 250 casas ao longo da história. Por essa razão, vulcões como o Uturuncu são chamados de “supervulcões”.
A humanidade, por sorte, nunca presenciou a erupção de um supervulcão. A última vez em que isso aconteceu, segundo estimativas, foi há 74 mil anos, na Indonésia. Os supervulcões, segundo cálculo dos cientistas, armazenam lava por cerca de 300 mil anos até explodir. A última erupção do Uturuncu, conforme estimativas, aconteceu há 300 mil anos. Devemos presenciar uma nova super erupção em breve?
Possivelmente, de acordo com os geólogos americanos. Os pesquisadores se dedicam a um intenso monitoramento do vulcão, considerando dados sísmicos, medidas de GPS e variações no terreno. Tudo para determinar quão próximos nós estamos de um evento natural desse porte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário