Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

terça-feira, 18 de outubro de 2011

CALOR DAS ROCHAS PODEM DESENCADEAR TERREMOTOS

Cientistas descobriram que o calor das rochas raspando umas contra as outras pode ser uma das principais causas de enfraquecimento de falhas nos estágios iniciais de terremotos.
Quando as rochas raspam umas nas outras, geram temperaturas extremas em saliências microscópicas espalhadas, chamadas asperezas, onde fazem contato.
Este processo é semelhante ao que produz calor ao esfregarmos as mãos juntas, por exemplo, mas em escala extrema.
Em falhas graves, como a de San Andreas na Califórnia, EUA, os pesquisadores acreditam que flashes de calor a partir do choque entre rochas as derrete. 
Os flashes de calor a partir do choque entre rochas as derrete
Isso faz com que as pedras, escorregadias nos pontos de contato microscópico, diminuam o atrito entre elas o suficiente para desencadear uma quantidade significativa de estresse e preparar o cenário para um terremoto.
Para entender melhor sobre esse fenômeno, os cientistas friccionaram diferentes tipos de rochas comumente encontradas em falhas, como granito, quartzito e gabro.
Eles simularam terremotos de velocidades de cerca de 0,5 metros por segundo. As colisões ou asperezas tinham, cada uma, uma superfície de menos de 10 mícrons de largura, ou cerca de um décimo do diâmetro de um cabelo humano.
Os pesquisadores descobriram que o aquecimento poderia gerar flashes intensos de calor, talvez de até 1.800 graus Celsius, o suficiente para derreter a maioria dos tipos de rocha associadas com as falhas de terremoto.
Notavelmente, este calor intenso foi confinado aos pontos quentes; a temperatura da rocha ao redor permaneceu praticamente inalterada. Ainda assim, o calor poderia diminuir o atrito entre rochas significativamente em distâncias de apenas 4,5 centímetros.
Esses achados sugerem que o aquecimento pode ser um dos principais contribuintes para o enfraquecimento de falhas durante ambos pequenos terremotos e fases iniciais de terremotos de grande porte.
“Estas descobertas dão-nos uma imagem muito mais clara do que pode estar acontecendo em falhas durante um terremoto, e tem implicações sobre como as rupturas do terremoto viajam dentro da terra”, diz o pesquisador David Goldsby, um geofísico da Universidade de Brown.
Mais pesquisas podem estudar se o aquecimento ocorre quando as superfícies cobertas com terra acima da rocha são esfregadas uma contra a outra, em um cenário potencialmente ainda mais realista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário