Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

domingo, 2 de outubro de 2011

CORPO HUMANO EXPOSTO À RADIAÇÃO PODE SE “ADAPTAR” A ELA

Segundo um novo estudo, médicos que são regularmente expostos à radiação de raios-X podem sofrer alterações em suas células, para lhes protegerem dessa radiação.
Esses médicos têm níveis mais elevados de um antioxidante chamado glutationa dentro de suas células vermelhas do sangue.
Além disso, algumas dessas células podem ser mais capazes de autodestruição, uma forma de proteção caso se tornem cancerosas.
No entanto, ainda não está claro se estas mudanças são benéficas a longo prazo, ou mesmo se reduzem o risco de câncer desses indivíduos. Em vez disso, essas alterações podem ser indicadores precoces de uma doença, por exemplo.
Por conta disso, os médicos que trabalham frequentemente em torno de raios-X devem tomar precauções para reduzir o risco de exposição à radiação.
Cardiologistas intervencionistas são médicos que realizam cirurgias minimamente invasivas no coração, e usam raios-X para guiá-los. Enquanto os pacientes desses procedimentos recebem a dose mais elevada de raios-X, o médico recebe radiação que se espalha do paciente e das paredes.
A dose durante uma única operação é baixa, mas acumula-se. Em um ano, um cardiologista intervencionista pode ser exposto ao equivalente a 250 radiografias de tórax.
Os pesquisadores analisaram amostras de sangue de 10 cardiologistas intervencionistas e 10 trabalhadores de hospitais que não são expostos à radiação.
Em média, os cardiologistas intervencionistas foram expostos a 4 milisieverts (mSv) de radiação ionizante por ano; alguns chegaram a até 8 mSvs. Nos EUA, a pessoa média é exposta cerca de 3 mSvs por ano a partir de fontes naturais.
Os pesquisadores concluíram que os médicos podem estar se adaptando à maior exposição à radiação, com base nos níveis de moléculas chamadas espécies reativas de oxigênio (ROS, na sigla em inglês).
Moléculas ROS podem danificar o DNA se entrarem em células. Os cardiologistas intervencionistas tinham maiores níveis de ROS no plasma, em torno de suas células do sangue. No entanto, dentro de suas células vermelhas, ambos os grupos tinham os mesmos níveis de ROS.
Isso significa que as células dos cardiologistas estavam produzindo mais glutationa, protegendo as células e os cardiologistas de picos de ROS.
Uma dose altíssima de radiação instantânea pode causar a falência
do sistema imunológico, envelhecimento prematuro e câncer de vários tipos
Estudos adicionais são necessários em grupos maiores de pessoas para determinar os efeitos a longo prazo deste tipo de exposição à radiação.
Segundo os pesquisadores, usar material de proteção adequado, incluindo avental de chumbo, e reduzir a dose de radiação que o paciente recebe durante estas operações, pode diminuir a exposição que os médicos sofrem.

2 comentários:

  1. Profissionais da saúde e vítimas do sistema! Quanta contradição!

    ResponderExcluir
  2. Este é o poder de daptação do ser humano ao meio em que ele vive. Está mais que provado isto é só olhar as regiões do planeta e ver que em todas as elas há habitantes.

    ResponderExcluir