Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

CICLO COMPLETO DE ERUPÇÃO SUBMARINA DOCUMENTADO PELA PRIMEIRA VEZ


Investigação pode dar pistas sobre a origem da vida
Axial Seamount situa-se a 400 quilômetros da costa
do estado norte-americano Oregon
Foi detectado e documentado pela primeira vez o ciclo completo da erupção de um vulcão submarino. A erupção do Axial Seamount – situado a 400 quilômetros da costa do estado norte-americano Oregon – já tinha sido prognosticada há cinco anos.
Os cientistas consideram que este estudo é de “grande importância”, pois permite controlar as reações químicas que acontecem quando um vulcão entra em erupção e “dá lugar a novas formas de vida”. A origem dos primeiros organismos terrestres nestas circunstâncias é uma das hipóteses dada pelos cientistas, juntamente com a chegada de elementos biológicos do espaço em meteoritos. 
A atividade vulcânica debaixo do mar permite a proliferação de seres vivos capazes de viver em condições extremas (chamados de extremófilos). Pensava-se que nestes lugares com altas temperaturas, falta de oxigénio e luz solar e com muito metano e Gás Sulfídrico (H2S), a vida não era possível.
Jesús Martínez-Frías, investigador do Centro de Astrobiologia espanhol, citado pelo jornal «El Mundo», afirma que observar uma destas erupções é muito interessante porque “dá pistas sobre a origem da vida”.
Os responsáveis pela investigação foram Bill Chadwick, geólogo da Universidade de Oregon e Scott Nooner, da Universidade Columbia. Ambos supervisionaram a montanha submarina durante vários anos e em 2006 afirmaram que a erupção aconteceria antes de 2014.
Os cálculos basearam-se nas medidas de pressão do leito marinho que detectavam se o Axial Seamont estava aumentando. Foram utilizados sensores de tsunamis que permitem controlar os movimentos verticais no fundo do mar e com estes conseguiu-se perceber que o vulcão aumentava 15 centímetros por ano. A erupção aconteceu no dia 6 de Abril passado.
A erupção, a primeira a ser totalmente registada foi descoberta a 28 de Julho durante a expedição dirigida por Chadwick a bordo de um barco oceanográfico. Com um veículo telecomandado, os investigadores observaram o fluxo de lava.
Nestes fenômenos, uma grande quantidade de calor sai do fundo marinho, alterando as reações químicas e destruindo comunidades biológicas que lá habitam. Há também espécies que só se conseguem encontrar no momento das erupções.
Durante o tempo do estudo foram analisadas as reações químicas na chaminé do vulcão e o DNA e o RNA dos micróbios recolhidos nas amostras. Graças ao método desenvolvido neste projeto, poder-se-á compreender melhor a atividade dos vulcões submarinos e evitar possíveis riscos.

2 comentários:

  1. Impressionante como eles sempre estão espreitando tudo no planeta! Espero que esta notícia seja mesmo com a finalidade de não permitir maiores destruições. Será?

    ResponderExcluir
  2. Na verdade como temos pouco tempo que estamos no planeta, e somente agora que as tecnologias avançaram podemos tentar entender o belo e complexo sistema que permeia a Terra. Muitas coisas ainda tem que serem descobertas, pois o que existe é muita teoria e conjecturas.

    ResponderExcluir