Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

ROEDORES, APÓS CRUZAMENTO, FICAM MAIS RESISTENTES A RATICIDAS


A descoberta da nova espécie aconteceu na Europa
O Mus spretus é mais resistente do que o rato comum.
Esta nova geração de ratos, semelhante ao banal roedor doméstico, é agora resistente à maior parte de raticidas à base de anticoagulantes – os mais correntes e considerados mais eficazes também.
Segundo uma equipe de investigadores norte-americanos, a resistência deve-se a um cruzamento genético com uma nova espécie – a Mus spretus, ou chamada ainda de ‘rato de cauda curta’ –, cuja origem é da África do Norte e que até agora se julgava impossível o cruzamento com o rato comum.
Os cientistas afirmaram na «Current Biology» que a Mus spretus é mais resistente, mas menos prolífera. A descoberta da nova espécie aconteceu na Europa há uma década.
Existem pelo menos 500 espécies conhecidas.
Caso acontecesse uma catástrofe a nível planetário, esses animais, cujo peso oscila por volta de cem gramas, sobreviveriam e seriam capazes de popular a superfície novamente. Não podemos esquecer que os roedores dispõem de características como o fato de serem capazes de correr, nadar, escalar, têm uma alimentação variada, uns maxilares fortes e reproduzem-se “como coelhos”.
No entanto, as duas espécies são bastante distintas há já 1,5 ou três milhões de anos e existem várias barreiras genéticas que impediriam este cruzamento, e o fato continua a intrigar os investigadores. Contudo, continuam iguais em números, distintos, de populações e que a pressão levada a cabo por um determinado raticida acaba por conduzir à emergência de indivíduos mais resistentes de geração para geração.

NOTA: No Brasil, principalmente, no Planalto Central existe uma espécie de roedor o Ratus brasiliensis, que também são capazes de correr, nadar, escalar, propinar, desviar, têm uma alimentação variada (por dinheiro), maxilares de ferro (nada derrubam eles), advogados fortes, reproduzem-se de 4 em 4 anos e são resistentes a tudo. Principalmente a encarceramento.
Nada acaba com esta espécie! Ficam mais resistentes a cada 4 anos.

2 comentários:

  1. rsrsrsrsr. Provavelmente os cientistas ainda não se interessaram em estudar os ratos predadores ou caçadores dos cofres públicos por serem realmente imbatíveis e usarem diversas camuflagens, dificultando assim os trabalhos científicos. Pior que não há mesmo nenhum pesticida eficaz para acabar com estas raças tão nocivas e a própria população altamente manipulável e com memória fraca, é que contribuem para a proliferação das ratazanas.

    ResponderExcluir
  2. Na verdade o melhor pesticida para a classe, só existe na china 140 tijolos que formam um muro. Depois um projétil bem localizado np cérebro e pago pela família do infrator. E olha que hoje a China é a maior potência mundial em tudo, viva Mao Tsé Tung. Alguns diriam que foi um didator? Eu digo que foi um resgatador.

    ResponderExcluir