Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

“ENCICLOPÉDIA DA VIDA” QUER SER MAIOR CATÁLOGO DE ESPÉCIES


Site ‘online’ reúne até agora 700 mil páginas de informação
«Enciclopédia da Vida» apresenta-se em versão atualizada
Quatro anos após ter começado, a «Enciclopédia da Vida» («Encyclopedia of Life», EOL) apresenta hoje uma nova e atualizada versão. Esta ambiciosa webpage, que funciona como uma base de dados de espécies, é feita através da colaboração em rede.
Apresenta-se agora com um novo design e características que tornam a sua utilização mais simplificada e com a possibilidade de personalização e interação.
Catalogar todas as espécies que existem é um trabalho interminável. A vantagem da Internet é que permite estar sempre atualizando um catálogo sempre incompleto mas que se quer cada vez mais rigoroso e sem falhas.
O sistema de classificação moderno, proposto pelo biólogo sueco Lineu, no século XVIII, impôs-se como o sistema mundial. Todas as classificações são compostas por dois termos latinos, o primeiro referindo-se ao gênero e o segundo à espécie, como por exemplo Felis catus, o gato doméstico.
Foi o biólogo Edward O. Wilson, da Universidade de Harvard, o primeiro a defender, em 2003, a necessidade de utilizar as novas tecnologias de comunicação para criar um catálogo virtual da vida.
A Fundação MacArthur e Fundação P. Sloan Foundation começaram, em 2007, a financiar este projeto, que conta com a colaboração de cientistas de diversas instituições e cidadãos de todo o mundo.
Quando o projeto se apresentou contava com 30 mil páginas de informação. Agora, ascende às 700 mil, ou seja, uma terça parte de todas as espécies que se conhecem.
Não se sabe exatamente quantas espécies existem nem quantas foram já descritas. Nos catálogos atuais existem repetições e lacunas. Ainda assim, estima-se que sejam 1,9 milhões as espécies conhecidas. Entre elas, 1,2 milhões estão catalogadas, enquanto 700 mil, apesar de descritas, não estão catalogadas. As espécies ainda não descobertas podem ser, estimam os especialistas, 8,7 milhões.
A associação de 176 provedores de conteúdo que está por trás da EOL.org aspira construir que o site atinja mesmo as 1,9 milhões de páginas, uma por cada espécie conhecida.
A enciclopédia tem atualmente diversas potencialidades. O usuário consegue facilmente encontrar as espécies que lhe interessam, criar coleções pessoais com fotografias e informação, encontrar e colecionar fotografias, vídeos e sons. Os utilizadores podem também partilhar comentários, conhecimentos e fazer perguntas entre eles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário