Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

AVES CONSIDERADAS EXTINTAS REAPARECEM NO SEU HABITAT NATURAL

Combate ao desmatamento ajuda a recuperar a biodiversidade

O Papa-formiga-de-topete (Pithys albifron)  é uma das espécies a reaparecer.
Algumas aves consideradas extintas há já duas décadas estão, nos últimos quatro anos, a regressar ao seu habitat natural. Os cientistas garantem que o combate ao desmatamento pode ajudar a recuperar a biodiversidade em todos os ecossistemas, segundo um estudo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e da Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos.
O trabalho faz o ponto da situação sobre os impactos do desmatamento nas populações de aves que viviam na região durante 25 anos, e concluiu que 97 das 101 espécies de aves estudadas pelos cientistas já regressaram a pelo menos um fragmento da floresta que costumavam habitar antes do desflorestamento. Desta forma, fica provado que a Amazónia tem a capacidade de recuperar a sua biodiversidade, se a mão “negativa” do homem terminar.
Este estudo avança ainda que o processo de recuperação da biodiversidade pode acontecer não só na Amazónia como em qualquer ecossistema do mundo com matas tropicais, desde que sejam feitos esforços para melhorar a ação do Homem nestas regiões.
Desde o início da década de 1980, os investigadores do INPA centraram a sua atenção, em 11 fragmentos da floresta, numa extensão entre um a cem hectares, perto de Manaus. Este estudo analisou apenas as espécies de ave do sub-bosque, ou seja, que voam a uma altura intermédia.
Algumas destas áreas funcionam como “ilhas de floresta” para receber atividade agropecuária, existindo porque, para autorizar o desmatamento, exigia-se que os produtores mantivessem um pedaço da mata nativa.
Os cientistas monitorizam aves e as áreas que estas habitavam antes de as árvores serem derrubadas. As medições são realizadas a cada sete anos. No primeiro ano, após o desmatamento, a maioria das espécies desapareceu desses fragmentos. Algumas migraram para outras regiões, enquanto outras acabaram por perecer. Por fim, aconteceu o que os cientistas chamam de extinção local: as aves desapareceram completamente daquelas áreas. As perdas de espécies variaram conforme o nível de cobertura florestal.
Com o tempo, a atividade agropecuária desacelerou e a floresta voltou a crescer e a recuperar o seu meio envolvente. O trabalho vem publicado na revista especializada PLoS One.

Nenhum comentário:

Postar um comentário