Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

FURACÃO KATIA SE INTENSIFICA AO LONGO DO ATLÂNTICO


O furacão Katia ganhou força rapidamente sobre o oceano Atlântico no domingo e passou a ser classificado na categoria 2, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA. De acordo com o órgão, ainda é cedo para medir a ameaça potencial à costa leste dos Estados Unidos. Katia pode se tornar um furacão ainda mais forte com ventos de até 178 quilômetros por hora nesta segunda-feira.
Katia, que na quarta-feira foi rebaixado à categoria de tempestade tropical, voltou a ser furacão na quinta-feira ao chegar ao Atlântico. O furacão segue na direção oeste e pode alcançar a costa dos Estados Unidos na próxima semana, anunciou o Centro Nacional de Furacões. Mesmo longe da região costeira, algumas das previsões indicam que o fenômeno pode afetar a costa leste dos Estados Unidos, que ainda se recupera dos estragos causados pelo furacão Irene.
De acordo com números oficiais, pelo menos 43 pessoas morreram em 11 estados durante a passagem de Irene no fim de semana passado nos EUA. Nova York contabilizou oito mortos; e Nova Jersey, sete. No Caribe, Irene deixou cinco mortos e mais uma pessoa morreu no Canadá. No total, foram 49 mortos.
Lee
Depois do Irene, os EUA enfrentam a tempestade tropical Lee, que atravessou no domingo a costa leste do Estado americano da Louisiana, onde a cidade de Nova Orleans se preparava para um dos maiores testes de suas defesas contra inundações desde que o furacão Katrina devastou a cidade em 2005.
O Centro Nacional dos Furacões informou que o centro do Lee estava a cerca de 200 quilômetros de Nova Orleans, com ventos sustentados na velocidade máxima de 71 quilômetros por hora por volta das 8h (9h no horário de Brasília). Em Nova Orleans a tempestade trouxe à memória o furacão Katrina, que em 2005 inundou 80% da cidade, matou 1.500 pessoas e causou danos de mais de US$ 80 bilhões à região, um popular destino turístico. Metade da cidade fica abaixo do nível do mar e é protegida por um sistema de diques e comportas.
Katia Furacão visto de uma janela da Estação Espacial Internacional. Foto NASA
Às 9h00 UTC de hoje, o centro do Katia estava a 645 quilómetros a Norte das ilhas Leeward e a 975 quilómetros a Sul - Sudeste das Bermudas.
Apesar de muita longe de regiões costeiras, o Katia vai ainda fazer-se sentir, através de grande ondulação nos próximos dias, que segundo o ONHC se fará sentir principalmente na costa Leste dos EUA, Bermudas, Grandes Antilhas e costa Este das Bahamas.
Em relação à tempestade Lee, que está sobre o Sul da Louisiana, a 56 quilómetros a Oeste - Noroeste de Nova Orleães, o NHC indica que já é apenas uma depressão tropical, com ventos na ordem dos 55 Km/hora.
O principal alerta neste caso é para a chuva, que o NHC avisa poderá “extremamente forte” enquanto o centro se desloca para o Sul do Mississipi e Alabama.
Os meteorologistas dizem que o que resta da tempestade tropical Lee está a interagir com uma zona frontal de ar frio e seco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário