Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

EAD

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

JOGO VIRTUAL PODE ESTIMULAR CRIANÇAS COM CÂNCER A MELHORAR


No mundo virtual, situações difíceis podem se tornar uma aventura desafiadora e até prazerosa. Com joystick, mouse ou teclado na mão, um paciente com câncer pode se imaginar transportado para a imagem da tela do computador e, como herói do game, usando armas poderosas para destruir células cancerígenas. Isso acontece no jogo em 3D que está sendo desenvolvido para crianças e adolescentes no Brasil, chamado Combate. Inspirado em um modelo similar americano, o Re-mission, o jogo propõe uma viagem fantástica: o paciente é nanorobotizado e injetado no corpo de um paciente com características similares às suas. O jogo oferece opções de escolha entre diversos tipos de câncer – os vilões a ser combatidos. No interior do organismo, o paciente, agora transformado em combatente, usará as armas de que dispõe, como quimio e radioterapia, além de medidores de estresse para combater as células neoplásicas.
Com o jogo, a criança com câncer fortalece sua
  autoestima, pois entende melhor o tratamento
Especialista em inovações tecnológicas e pesquisa da empresa brasileira Technology & Training Institute (T&T) e coordenadora da criação do game brasileiro, Cristinna Araújo explica que é jogando que o jovem passa a entender exatamente o que acontece em seu organismo. “Esta mistura de realidades pode beneficiar muito o paciente. Ao entender, na brincadeira, como seu corpo pode reagir à quimioterapia e a outras terapêuticas similares, ele também fica mais estimulado a levar adiante o tratamento”, explica.
No jogo, apresentam-se diversos cenários, cada um correspondendo a uma área diferente do corpo, como a corrente sanguínea e os órgãos atingidos pelo câncer, e cada etapa corresponde a uma missão. “Brincando, o paciente recebe uma ampla gama de informações sobre o que se passa com a atuação dos medicamentos.” Apoiado pela FAPERJ por meio do edital Apoio ao Desenvolvimento da Tecnologia da Informação, o jogo é também conhecido como um serious games, pois simula situações reais, com benefícios para os usuários, e está sendo desenvolvido com apoio de dois mestrandos em análise de sistemas da Universidade Federal Fluminense (UFF).
O que estimulou Cristinna a desenvolver o simulador foram os bons resultados do jogo americano. A pesquisadora afirma que um estudo realizado há cerca de três anos nos Estados Unidos, Canadá e Austrália avaliou 375 adolescentes e jovens adultos com câncer que o utilizaram durante três meses de tratamento. Além de atingir seus principais benefícios  – passando a entender melhor o que acontece em seu organismo, os pacientes passam a ter maior crença na possibilidade da cura e maior adesão ao tratamento –, segundo os resultados do estudo, houve ganhos palpáveis: 20% deles mantiveram níveis mais elevados de absorção e retenção dos quimioterápicos no sangue; e 16% apresentaram resultados mais consistentes com o uso de antibióticos em comparação com o grupo controle. “Isso ilustra bem como um ganho psicológico pode favorecer o paciente até mesmo fisicamente”, exclama.
Com acesso a depoimentos de pacientes americanos, Cristinna constatou como eles foram beneficiados. Entre os vários exemplos, a pesquisadora conta que um desses jovens, tendo passado pelo tratamento aos 14 anos, agora com 19, afirmou: “Há uma série de complexas terminologias médicas, difíceis de digerir nessa idade. O jogo convida a compreender que a quimioterapia está fazendo alguma coisa.” E acrescenta: “Quando você passa por tratamento contra o câncer, a quimioterapia torna-se algo de que você tem pavor. Mas, jogando, você passa a se ver lutando ativamente, atirando contra as células do câncer. Então, o pavor vira confiança.” Outra adolescente de 13 anos deixou seu relato: “Eu me imaginava explodindo as células malignas em meu corpo; sentia como se estivesse lutando contra aqueles vilões que me impediam de ver meus amigos e minha família”.
Segundo a pesquisadora, o jogo também traz benefícios a médicos, enfermeiras e parentes dos pacientes. "Com maior adesão do jovem ao tratamento, ficam mais fáceis a rotina e a relação dos profissionais de saúde com o paciente, já que muitas vezes, da rebeldia em tomar a medicação eles passam a aceitá-la. Para os familiares, igualmente importante é perceber no jovem uma mudança de comportamento, ao deixar de lado a apatia da própria condição para adotar uma postura mais otimista, mais combativa em relação à doença. A previsão da T & T é de que o game esteja pronto até o final do ano e seja distribuído em instituições que atendam crianças e jovens com câncer.
Fonte: FAPERJ/ Danielle Kiffer

Nenhum comentário:

Postar um comentário