Esta foto foi escolhida pela BBC 28 de setembro, 2012 como uma das 20 mais bonitas

Sejamos proativos nas questões relacionadas às mudanças climáticas, pois não seremos poupados de seus efeitos devastadores a curto e longo prazo.
gmsnat@yahoo.com.br
Um Blog diferente. Para pessoas diferentes!

Grato por apreciar o Blog.
Comentários relevantes e corteses são incentivados. Dúvidas, críticas construtivas e até mesmo debates também são bem-vindos. Comentários que caracterizem ataques pessoais, insultos, ofensivos, spam ou inadequados ao tema do post serão editados ou apagados.

SENATED

SENATED
Senated - Seminário Nacional de Tecnologias na Educação - 100% ONLINE E GRATUITO de 22 a 28 de Outubro de 2017

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A VERDADEIRA LIGAÇÃO DA CIÊNCIA COM A INDÚSTRIA DEU-SE ATRAVÉS DA QUÍMICA! 2011 ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA


2011 - Ano Internacional da Química
Encontramo-nos a celebrar o Ano Internacional da Química. Num breve relâmpago histórico diria que a química começa volver-se numa ciência independente já nos finais do século XVII com Becher e Stahl, para cerca de um século depois, com Lavoisier, surgir já como uma “química moderna” conquistadora de territórios e reivindicando a dignidade e a legitimidade de uma verdadeira ciência.
William Henry Perkin foi o «pai» da verdadeira ligação da ciência com a indústria
No século XIX surge a química acadêmica e profissional. Ainda no século XIX e subsequentemente no século XX, os territórios da química vão ser cada vez mais de perfil industrial, no mundo da produção e do trabalho. A verdadeira ligação da ciência com a indústria deu-se através da química — o protótipo da indústria científica do século XIX —, com a descoberta dos corantes sintéticos por Perkin em 1856.
Por fim, marcadamente após a 2ª Grande Guerra, vai surgir a química desagregada em subdisciplinas, como uma ciência de serviço. O caráter utilitário da ciência, e mormente da química, é bem notório, porque a química lida com as transformações da matéria.
Uma Química onipresente
«A química está em toda a parte no mundo que nos rodeia ─ naquilo que comemos, no que nós respiramos, na maneira como vivemos, e naquilo que somos. Os químicos não só estudam como as “coisas” são, mas também o que fazem e como o fazem, a partir de partículas subatômicas, essencialmente elétrons e prótons, até aos grandes conjuntos de moléculas.
A Química é também muito criativa: produz novas substâncias todos os dias, numa constante busca por novos materiais, novos medicamentos e novas formas de fazer as coisas melhor, com menos gastos de reagentes, de energia, de tempo de preparação e impactos cada vez menores no ambiente, bem como na busca de novos modos de compreensão de como a Natureza funciona.
A química é das ciências mais rigorosas, porque se baseia não só no rigor lógico-matemático como no ultra rigor do confronto com a realidade experimental. A precisão e o rigor experimental algemam os químicos, pelo que não é uma ciência de índole especulativa.
A hierarquia de todas as ciências
A Química é a ciência central no contexto e hierarquia de todas as ciências, pois a ela se tem sempre de recorrer para estudar os fenômenos biológicos, físicos, médicos e do meio ambiente bem como os da engenharia dos materiais e da nanotecnologia. Uma nanociência que se está a construir a partir da química, mas que se antecipa no final podendo vir a ter uma enorme importância, com inúmeras aplicações.
Os químicos intervêm no mundo
Os químicos intervêm no mundo e por isso a Química é a ciência fundamental que tem tido um impacto na humanidade, superior ao de todas as outras ciências combinadas. Ao desvelar a estrutura do DNA vem a transformar a Biologia de uma ciência descritiva numa ciência de base química física.
Atente-se ao papel da química no desenvolvimento de medicamentos e de contraceptivos, de detergentes e outros produtos de higiene, na criação e transformação dos polímeros desde os plásticos aos materiais de alta tecnologia e polímeros funcionais. Na detecção de substâncias e controle da qualidade na produção industrial e no ambiente, nos cuidados de saúde, na detecção do crime, a química forense.
Uma linguagem para todo o tempo
Proporciona entendimento a respeito da complexidade molecular do mundo e das suas transformações, e das suas relações com os seres vivos e com o próprio homem. A linguagem química, de base molecular, foi um longo processo de conquista que se iniciou com Dalton; tem grande beleza estética e faz a ligação entre as ciências físicas e as ciências biológicas. É uma língua internacional, uma linguagem para todo o tempo, uma língua sem dialetos.
É a linguagem que permite explicar de onde viemos, o que somos, e para onde o mundo físico nos vai permitir caminhar em sustentabilidade. Não há fundamento para uma fobia da química com as precauções próprias na utilização de fertilizantes, de pesticidas e no tratamento de resíduos urbanos e industriais.
Evoluímos de uma sociedade baseada na revolução industrial
 para uma sociedade baseada no conhecimento
Evoluímos de uma sociedade baseada na revolução industrial para uma sociedade baseada no conhecimento. Globalização na economia, circulação na informação e nos capitais, produção industrial, formação do conhecimento. O investigador não busca o conhecimento pelo conhecimento, mas sim a resolução de problemas específicos e de situações.
Um conhecimento científico mais integrado
O Séc. XXI vai ter outro tipo de conhecimento, que já começou a desenvolver-se nos finais do Séc. XX por um caminho baseado na criatividade inovadora, que recorre a uma amálgama de dados empíricos, teorias, meios computacionais e de simulação. Daí que a ciência pós-académica e a sociedade de informação produzirão um conhecimento científico mais integrado.
A base de dados do Essential Science Indicators mostra que das 21 áreas científicas que colige, em Portugal a “Química é a área com maior impacto internacional. Na atualização de Setembro de 2011 corresponde a 16,1% do total de citações do país no período dos últimos 10 anos; segue-se a “Medicina Clínica” com 15,2% e a “Física” com 10,7%.
Do perfil das várias áreas científicas cultivadas nos diferentes países emergem as «marcas culturais» na ciência. E se tais marcas são de língua, de história e de geografia, também refletem preocupações e anseios sociais — a «função social da ciência». Ora esta função social é bem traduzida, a nível europeu, na proporção relativa de apenas três grandes áreas: Medicina Clínica, Física e Química. A que, a nível, mundial há que acrescentar a área de Ciências de Materiais.
O outra componente, em 2ª ordem de importância, por estranho que nos soe, é a das «culturas religiosas».
O texto que aqui se revela será a intervenção de abertura do Café da Ciência hoje, dia 28, na Assembleia da República de Portugal. O encontro pode ser seguido através do Ciência Hoje.

NOTA: Me orgulho se ser mais um, nesta lista longa de Químicos espalhados pelo planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário